Cachorro pode ter epilepsia?

Tempo de leitura: 3 min

Escrito por admin
em abril 26, 2022

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Compartilhe agora mesmo:

Cachorro pode ter epilepsia?

Saiba como essa condição pode se manifestar no seu companheiro e conheça as opções de tratamento

O bem estar do cachorro é a preocupação número um de qualquer tutor. Justamente por isso, muitos donos podem ficar assustados com a manifestação de certos problemas, como quando o cachorro tem convulsões. A primeira coisa que o dono pensa é levá-lo a um hospital veterinário para que ele possa ser tratado o quanto antes.

Assim, para tranquilizar o dono, é importante que ele conheça as doenças e as condições que podem ocasionar manifestações como essa. Esse é o caso, por exemplo, da epilepsia canina, um assunto que ainda causa muitas dúvidas nos tutores. O texto abaixo aborda os principais pontos envolvendo o tema e instrui os donos do que precisa ser feito para cuidar corretamente do seu companheiro.

O que é e quais os tipos de epilepsia?

O primeiro passo é definir o que é a epilepsia. Essa é uma doença caracterizada por alterações cerebrais, ocorrendo nos neurônios e afetando todo o sistema nervoso. A forma como o organismo manifesta essas alterações são por repetidas convulsões, ou seja, contrações e espasmos que o cão faz involuntariamente.

No caso dos cachorros, a epilepsia pode ser de três tipos diferentes: a primária, que é causada por motivos idiopáticos, que são aqueles sem causa definida ou por fatores genéticos; a secundária ou sintomática, que acontece devido a outra doença, como um tumour; e a reativa, que é resultado de problemas metabólicos ou endócrinos no animal.

É importante destacar que epilepsia e convulsão não são a mesma coisa. As crises compulsivas, quando parte do corpo ou ele todo reagem involuntariamente, é um dos sintomas da epilepsia. Entretanto, elas também podem ser a manifestação de outra enfermidade. Por isso é importante procurar um veterinário para que seja feito o diagnóstico correto do quadro do animal.

Quais as causas da epilepsia canina?

A epilepsia em cães pode ter várias origens. A mais comum é a hereditária, com cães completamente saudáveis passando a ter crises epiléticas em determinado momento de suas vidas. Acidentes são outro motivo que podem fazer com que o cão tenha crises epiléticas.

Entre as outras possibilidades que originam a doença, estão os tumores (sobretudo os que afetam o cérebro), problemas cardiovasculares e doenças metabólicas. Até mesmo alguns tipos de inflamação, como é o caso da meningite, podem resultar no surgimento das crises, o que torna fundamental uma investigação para saber qual é a origem.

Quais são os sintomas?

Além das convulsões, existem outros sintomas que podem indicar que o cão tem epilepsia. O dono pode reparar se o cachorro está tendo quedas frequentes, perdendo a coordenação motora e aparentando espasmos em diferentes regiões do corpo. Também deve-se prestar atenção se o animal está tendo alterações variadas de comportamento ao longo do dia.

Para facilitar o diagnóstico, o dono pode criar uma espécie de diário, anotando os acontecimentos e características de cada episódio. É importante anotar aspectos como duração, possíveis gatilhos (como o que o animal fazia antes do ataque começar) e o período do dia em que os episódios aconteceram.

Como é feito o diagnóstico?

Para diagnosticar essa condição, é realizada uma abordagem multifatorial na avaliação do cachorro. Isso envolverá os relatos do dono sobre os ataques do pet, o exame físico e o histórico de saúde dele. Também podem ser feitos testes como hemogramas, perfil bioquímico, raio X, ultrassonografia, ressonância magnética, tomografia e exames oftalmológicos.

Quais são as opções de tratamento?

Felizmente, o tratamento dessa condição pode acontecer de diferentes formas. O principal e mais utilizado entre eles é com o uso de medicamentos, que costumam funcionar muito bem. Também pode ser recomendado a realização de acupuntura veterinária.

Porém, o que irá determinar o melhor tratamento para o seu pet é a avaliação do veterinário sobre as condições dele, levando em conta suas particularidades. Isso apenas reforça a importância da realização de visitas frequentes ao veterinário, pois isso permite que o diagnóstico aconteça precocemente e que possa ser feito o acompanhamento do caso, indicando, da melhor maneira, como proceder.

Compartilhe agora mesmo:

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.